Como começou a Vuelta a España 2021

O Giro d’Italia perdeu grande parte do seu prestígio por estar logo após o Tour de France, por estar sobreposto com algumas clássicas muito importantes e principalmente por se sobrepor à Vuelta a España.

Em seu retorno a um Grand Tour após sua decepção ao perder a camisa amarela no penúltimo dia do Tour de France do mês passado, Primož Roglič (Jumbo-Visma) já se encontra de volta à liderança geral de um Grand Tour após a vitória no primeiro dia de a Vuelta a España.

Tendo já se recuperado imediatamente da decepção com a vitória em Liège-Bastogne-Liège, o esloveno começou a Vuelta como um homem em missão, não mostrando sinais de cansaço físico ou psicológico após o drama no Tour.

Depois de fazer o seleto grupo líder de oito pilotos que alcançaram o topo da subida final do Alto de Arrate juntos, Roglič lançou um ataque a 1 km da chegada, ao qual nenhum de seus rivais teve qualquer resposta.

Assim como no Tour de France, sua equipe Jumbo-Visma foi dominante. Mais uma vez, foi o super-domestique Sep Kuss quem causou o estrago, embora desta vez por meio de uma série de ataques, em vez de um ataque constante na frente.

Tom Dumoulin não estava tão forte, sendo largado na escalada – a Vuelta costuma ter subidas nos primeiros dias – e terminando em um grupo de perseguição um pouco à deriva. Com ele perdendo 51 segundos e Roglič já com a camisa vermelha, parece que o esloveno será o líder absoluto do time – e o homem que todos os outros terão que vencer.

Hugh Carthy e Dan Martin entre aqueles que emergiram como candidatos gerais

Não há tempo para esperar na Vuelta deste ano. Com uma subida difícil na chegada na primeira etapa, o GC já começou, e um piloto britânico e irlandês estavam entre os poucos selecionados que se destacaram como possíveis candidatos.

A Israel Start-Up Nation sinalizou sua fé no líder Dan Martin ao se juntar na frente ao se aproximar da chegada e, de fato, o irlandês aproveitou a ocasião para terminar em terceiro. Não tendo olhado para o Tour de France, os sinais são de que o atleta de 34 anos pode estar de volta ao seu melhor.

Outro atleta inesperado foi Lancastrian Hugh Carthy (EF Pro Cycling), que teve pernas para fazer alguns ataques, tanto na subida como na curta descida seguinte. Embora o esforço tenha feito com que ele perdesse um pouco de terreno no final, o sétimo lugar ainda é um resultado muito impressionante e uma indicação de que Carthy pode ter pernas para enfrentar uma disputa no GC.

Os outros pilotos que integraram o seleto grupo foram: Esteban Chaves (Mitchelton-Scott), Felix Großschartner (Bora-Hansgrohe), o vice-campeão de 2018 Enric Mas (Movistar) e o vencedor do Giro d’Italia Richard Caparaz (Ineos Grenadiers).

É o começo, mas o vencedor da Vuelta deste ano provavelmente virá de um dos pilotos deste grupo.

Chris Froome começa mal

A grande questão de saber se Chris Froome era capaz de lutar pela vitória geral foi respondida no primeiro dia da Vuelta, quando o piloto de 35 anos foi retirado do pelotão.

Froome não conseguiu nem chegar à base da subida final, com a penúltima subida do dia – a categoria três Alto de Elgeta – se mostrando demais para ele.

Suas dificuldades não pareceram surpreender sua equipe Ineos Grenadiers, que estava de fato marcando o ritmo na frente do pelotão quando Froome foi derrubado, e não diminuiu quando o piloto perdeu o contato. Evidentemente, o plano nunca foi para Froome liderar suas esperanças de GC, com Richard Carapaz sendo o atleta protegido.

Em uma corrida na qual o britânico teve tanto sucesso no passado, com duas vitórias na geral em seu nome e três outras finalizações nos quatro primeiros em suas outras visitas aqui, é estranho vê-lo passar tanto aperto, mas não exatamente uma surpresa dada sua longa ausência de corridas de alto nível.

Nesta base, Froome ainda tem um longo caminho a percorrer na recuperação da queda de 16 meses atrás no Critérium du Dauphiné. Esperançosamente, ele pode aguentar o resto da corrida e obter algumas corridas muito necessárias em suas pernas, mas seus dias como um candidato ao Grand Tour podem ter acabado.

Pinot e Vlasov entre os grandes nomes já fora da disputa

Foi uma carnificina no Alto de Arrate, pois muitos dos grandes nomes apontados como possíveis vencedores da classificação geral viram as suas chances voarem.

Thibaut Pinot (Groupama-FDJ) foi um dos maiores perdedores, terminando com 9:56 após Roglič. Embora ele tenda a andar bem na Vuelta e se pensasse que poderia deixar para trás as dificuldades do Tour de France, o francês claramente não tem pernas para armar uma disputa pela camisa vermelha.

Grandes coisas eram esperadas de Alexander Vlasov (Astana), de 24 anos, mas ele também perdeu muito tempo. Talvez ainda não totalmente recuperado da doença que o obrigou a abandonar o Giro d’Italia, Vlasov terminou ao lado do companheiro de equipe  Luís León Sanchez por 4:31.

Os vice-campeões do ano passado, Alejandro Valverde (Movistar) e Tom Dumoulin (Jumbo-Visma), também foram dispensados, mas não perderam tempo suficiente para encerrar completamente suas esperanças no GC, cedendo 51 segundos para Roglič. Ambos os pilotos são profissionais experientes e astutos que sabem como administrar seus esforços, então ainda podem permanecer na contenção e melhorar conforme a corrida se desenvolve.

Um começo molhado para a Vuelta

A Vuelta a España geralmente ocorre sob um sol escaldante, muitas vezes em paisagens secas e empoeiradas, mas as circunstâncias deste ano determinam que a corrida terá uma sensação muito diferente.

Ocorrendo em outubro e novembro, em vez de seu horário normal em agosto e setembro, e confinada ao norte do país, esta será uma Vuelta mais fria e cinza, com as condições de chuva e vento que provavelmente darão o tom para o resto da corrida.

Era estranho ver tantos pilotos enrolados em capas de chuva, e ainda mais estranho ver folhas caídas espalhadas pela estrada, enquanto o topo do Alto de Arrate estava escuro e enevoado.

As condições de chuva e as estradas escorregadias dificultaram as coisas para os pilotos, com vários acidentes acontecendo. O piloto mais conhecido a sofrer uma queda foi Dani Martínez (EF Pro Cycling) e, apesar de ter conseguido voltar a pedalar e perseguir o pelotão, foi claramente afetado pela queda. Ele foi descartado na escalada final e terminou por 4:29 à deriva, o que provavelmente acabará com qualquer esperança que ele pudesse ter de competir pela camisa vermelha.

Tendo visto que suas esperanças de disputar um lugar alto no GC no Tour de France também chegaram ao fim por causa de uma queda, isso será especialmente decepcionante para o colombiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

rio cycling revista ciclo sul